Poesia adolescente

Todo dia

a gente pisa sobre os cacos da violencia

mas, sob a inocência do sapato,

não nos é permitida

a ciência do ato,

da indescencia que é

ver sangrar o próprio pé,

o pé que dança.